expr:class='"loading" + data:blog.mobileClass'>

[Merece Um Post] Sobre Sorrisos e Corações Partidos

Resultado de imagem para combate violencia domestica

Antes de ler Sorrisos Quebrados da autora Sofia Silva ano passado, tenho algo para confessar; nunca havia realmente prestado atenção nem sabia muito a respeito de violência doméstica. Tudo o que sabia vinha de noticiários e pessoas que comentavam casos assim como de mulheres que "gostavam de apanhar" mesmo nunca entendendo como alguém poderia supor que algum ser humano é emocionalmente cativado por qualquer que seja o tipo de violência. No entanto essas noticias invariavelmente "entravam por um ouvido e saiam pelo outro", como mais uma das várias atrocidades com as quais (e é horrível e assustador dizer isso) nós acabamos nos acostumando. Quão triste isso soa?

Depois de uma avalanche de comentários positivos, de leitoras emocionadas invadindo grupos de leituras cheios de amo pela história de Sofia, fui procurar saber mais e confesso que o tema me assustou e realmente me retraiu. Existem alguns temas sobre os quais simplesmente não consigo ler porque me envolvo demais e fico muito mal, e entre eles há a violência em si e, no mais alto grau, a violência contra crianças e o abuso sexual... é uma barreira para mim. A dor do personagem se infiltra na minha pele de uma forma tão intensamente dolorosa quanto leio que levo meses pra me recuperar e ainda assim, ela jamais sai de verdade da minha mente. Então, confesso que se não fosse o contorno romântico que a história parecia ter, eu provavelmente teria fugido de Sorrisos Quebrados.

Que bom que não o fiz.

Ler Sorrisos Quebrados realmente abriu meus olhos e meu coração para dor de milhares de outros. Através dessa leitura entendi que nada é tão simples quanto as pessoas tentam pintar, que não existem sequer um ser humano em todo o planeta que esteja em uma relação doente como essa porque "gosta de apanhar". Ninguém gosta de ser humilhado, ninguém nasceu pra isso... e reduzir uma vítima de uma relação doentia como essa que envolve pressão psicológica, ameaça, agressão física a alguém que está nisso porque quer é no mínimo estupidez. Dizem que só conhece mesmo uma dor quem o sente. Como poderiamos ser capazes de sequer mensurar todo o medo, a vergonha e o terror passado por uma pessoa sem habitarmos sua pele?

A partir desse momento em que a última página do livro de Sofia Silva foi virada algo mudou drasticamente dentro de mim; eu, que procurava um romance bonitinho sobre superação naquelas páginas encontrei muito mais do que procurava... encontrei uma eterna revolta queimando dentro de mim por todos aqueles que erguem suas mãos contra uma pessoa alegando amá-la. Como se milhares de vozes de todas as partes do mundo quisessem espaço em minha garganta para soltar um terrível e doloroso grito ensurdecedor.

Hoje estou emprestando minhas mãos a todas elas.

Li vários relatos, várias histórias... tão absolutamente terríveis. E através deles pude entender que muito mais do que as marcas e cortes em seus corpos, o trabalho que o agressor opera na mente da vítima é muito, muito mais extenso. As mesmas frases se repetiram em vários dos relatos que li "Eu achava que era minha culpa". "Ele dizia que eu tinha o obrigado a fazer o que fez". "Ele me pediu perdão, chorou e eu o perdoei". "Eu achei que poderia mudá-lo... salvá-lo."
Confesso que de início eu não entendia. Eu só conseguia pensar "Porque elas não foram embora no primeiro apertão ou tapa? Porque não contaram para as suas famílias? Porque deixaram acontecer?" Até que percebi que nada é assim tão simples. Que aquele que as batia, também era aquele que um dia as enchia de beijos, de presentes e de "amor"... e que elas achavam que, se fizessem tudo direito, talvez pudessem resgatar essa pessoa que eles eram quando elas "não faziam nada de errado". O mesmo que batia era aquele que chorava copiosamente e implorava perdão, que dizia que nunca mais aconteceria... eram os homens que elas amavam. Quando elas olhavam pra eles não viam o monstro ali, a espreita como qualquer pessoa de fora da relação claramente via.

Hoje assisti um filme sobre a temática, chamado "Então matei-o" - um filme Português sobre uma mulher grávida chamada Catarina que está presa por ter assassinado seu esposo abusador e que, ao ser entrevistada por uma mulher chamada Suzana (que sem se dar conta também está entrando em um relacionamento tão doentio quanto o que ela vivia) passa a contar desde o começo o que a levou a esse ato de desespero. No filme ela conta como ele era carinhoso, romântico e charmoso no início de seu relacionamento e como gradualmente ele foi revelando o monstro que o habitava. Enquanto relata os acontecimentos Catarina sem saber, está fazendo com que Suzana reveja seu próprio relacionamento com um rapaz que assustadoramente se parece com o homem que Catarina matou e, com sorte, talvez ela não permita que a história se repita. E ao finalizá-lo percebi  o quanto é importante que a voz de alguém que passou por esse tipo de situação seja de fato ouvida.
Não só para que seu agressor seja enfim parado, mas para que todas as outras pessoas que passam pela mesma situação a ouçam e talvez, esperançosamente, encontre um caminho de volta. Essas vozes precisam ser ouvidas! Embora o medo e a vergonha muitas vezes a amordace são histórias como de Paola de Sorrisos Quebrados e de tantas outras quebradas que darão esperança aquelas que ainda estão aprisionadas.

E, se essas vozes forem altas o suficiente, quem sabe? Talvez enfim sejamos capazes de fazer todos os monstros entenderem que nós não os deixaremos mais partir os nossos sorrisos, nem nossos corações.

Quando comecei essa postagem eu não sabia muito bem aonde ela iria dar. Simplesmente fui tomada por esse sentimento de urgência ao terminar esse filme porque me desespera pensar que alguém de fato está vivendo dessa forma. Que uma alma está sendo quebrada dessa forma.

Escreva sobre isso. Sussurre... Grite! 

Grite tão mas tão alto que o mundo não terá outra opção a não ser te ouvir.

[Resenha] Clichê - Carol Dias


Oi gente, como estão todos?

Hoje trouxe a resenha de mais um romance nacional (estou tão orgulhosa da quantidade de nacionais que tenho lido e amado!! ) e só posso adiantar que esse com certeza é mais um para vocês adicionarem a sua lista de quero ler! Um romance doce, com personagens reais e cativantes que realmente fazem você suspirar... definitivamente, merece ser lido! 


ClichêMarina Duarte está no vermelho. Dona de dupla graduação nas melhores faculdades públicas do Rio de Janeiro, seu sonho de construir a vida nos States não está funcionando.Decidiu se mudar para ficar perto da tia, sua única família, mas a crise não está ajudando em nada sua carreira.Sem saber como pagar as contas do próximo mês, Marina aceita uma vaga de babá na mansão da família Manning. Ela só não podia imaginar que sua vida mudaria completamente, apenas por conhecer duas crianças e um chefe viúvo e gato, maravilhoso, cheiroso e gostoso , que precisa urgentemente de sua ajuda


Sabe aquele momento que você está só precisando de um romance leve, despretensioso? Foi com esse sentimento que iniciei a leitura de Clichê da Carol Dias, sem realmente saber o que esperar. Mas, não precisei ir muita além dos primeiros dois capítulos pra saber que tinha achado muito mais do que estava procurando; encontrei um romance lindo, fofo, com personagens reais com dores reais e que precisam de ajuda para superar, um mocinho que realmente merece o título daquele que realmente nos faz suspirar... espero já ter te convencido a ler esse livro nesse parágrafo! SÉRIO, LEIA! - risos

Marina - também conhecida como Nina - é uma brasileira que, pra ficar mais perto da tia que é sua única família, decide morar nos EUA mas as coisas não saem exatamente como ela planejou e ela acaba não conseguindo se firmar em um trabalho que tenha haver com sua formação. O tempo passa e quando as contas chegam a um nível alarmante ela se vê tendo que trabalhar de babá de duas crianças lindas: Ally e Dorian que sofrem com a recente perda da mãe e se transformaram em crianças retraídas com certa dificuldade pra se relacionar. É nesse momento que Nina também conhece o pai deles, Killian um homem ferido pela perda da esposa, mas amoroso e gentil que tenta de todas as formas cercar seus filhos de amor e ajudá-los a seguir em frente. Ele encontra em Nina alguém que poderá ajudá-lo a "curar" seus filhos... e talvez até, curar seu próprio coração.

Confesso que agora enquanto escrevo, estou tendo certa dificuldade em colocar em palavras todo o carinho que desenvolvi por essa história... e isso é maravilhoso, porque só tenho dificuldade assim em escrever uma resenha quando uma leitura realmente me toca, como a de Clichê. Com uma escrita muito gostosa, que de fato nos aproxima dos personagens e nos vicia na leitura a Carol me surpreendeu demais! O que eu esperava que fosse apenas um livro leve, se tornou uma leitura que eu simplesmente fui incapaz de interromper. Cada personagem é especial e único; Dorian e Ally tem meu coração! São crianças lindas, mas claramente feridas e um tanto perdidas que precisam demais aprender como viver sem a mãe e é inevitável se apegar a elas e querer cuidar. Nina é uma mocinha absolutamente cativante, engraçada e que realmente desperta a torcida do leitor por ela? O modo como ela realmente se importa com as crianças e quer fazer muito mais do que simplesmente entretê-las e receber seu salário, mas sim ajudá-las de fato... me fez de fato admirá-la.

Já Killian... *insira suspiros aqui!*  honestamente, tenho estado um tanto quanto saturada dos bad boys (que parecem ser os únicos mocinhos disponíveis nos lançamentos atuais) que, ver Killian, um verdadeiro cavalheiro, gentil, doce, que se importa com seus filhos... realmente derreteu meu coração. É muito gostoso se "apaixonar" por um mocinho que finalmente não fere todo o meu conceito de "relacionamento saudável" pra varia, confesso! O romance entre ele e Nina é a passos lentos, já que ele tem uma perda realmente dura com a qual lidar, no entanto enquanto li senti que aquilo tudo era muito certo. Que a autora não apressou as coisas simplesmente para adiantar o romance, mas que ele de fato foi bem construído.

Enfim, com uma escrita maravilhosa, personagens incríveis e uma história tão boa quanto essa, realmente não sei mais o que dizer para convencê-lo a ler! haha' Se você quer um livro que realmente encha seu coração, Clichê é a sua leitura!

Fiquem com Deus,

Beijos! ;*

[Resenha] Estarei Aqui - Daya Alves



Oi pessoal, tudo bem? :)

Vou confessar; sou a maluquinha do Kindle que ama baixar livros quando estão gratuitos para assim conhecer mais e mais autores nacionais, mesmo ainda não tendo ouvido falar deles. Acredito que, além de aproveitar uma ótima promoção, exercito também em mim mesma a mente aberta de nunca desistir dos nacionais e de sempre reservar um pedaço do meu coração a eles.
Quando vi "Estou Aqui" de Daya Alves (minha chará!) a principal coisa a me chamar a atenção foi a oportunidade de entrar em um gênero literário que eu raramente visito; o Chick Lit. Embora sem saber exatamente o que esperar, mesmo a sinopse já me fazendo simpatizar com a personagem principal de cara, fui de encontro a essa leitura de coração aberto. E a experiência não poderia ter sido mais maravilhosa!

Confere essa resenha encantada!



Estarei AquiPaloma esperou quatorze anos para realizar o sonho de casar. Enquanto aguardava ansiosa que seu noivo marcasse a tão desejada data, satisfazia-se em trabalhar com wedding planner, assessorando muitas noivas histéricas. Até que um dia, por obra do destino, acabou envolvida em uma confusão e descobriu algo que iria abalar seu relacionamento. Desiludida com o amor, ela blinda seu coração para não sofrer novamente, porém, mais uma vez, não consegue ficar longe de uma grande confusão e seu caminho cruza com o de um médico socorrista do SAMU - moreno, latino, dono de olhos verdes e um sotaque que a deixava tonta. Seria Rico capaz de abalar sua determinação?
Skoob || Amazon


Imagine a situação: você está enrolada namorando alguém que foi seu melhor amigo praticamente sua vida inteira e quando enfim ele te pede em casamento e você já consegue imaginar seu sonho se realizando... uma grande traição destrói esse sonho. É fácil entender como a vida de Paloma virou de cabeça para baixo, não é? Com o coração partido, vendo todos os seus sonhos quebrados, ela decide não dar mais brecha para o amor e muito menos alimentar novamente seus sonhos românticos a não ser que eles servissem para seu trabalho como planejadora de casamentos. De resto o seu coração estaria fechado... mas quem disse que o amor verdadeiro respeita esse tipo de decisão?


Com uma escrita que só pode ser definida como viciante, Daya nos apresenta Paloma; alguém com que me identifiquei logo de cara. Atrapalhada, romântica e super divertida esse é definitivamente o tipo de personagem que me encanta porque inevitavelmente passo a torcer por ela e querer que ela supere tudo o que uma vez a feriu. Foi interessante demais partilhar de todos os momentos na história onde a autora, pacientemente, foi mostrando o processo de cura da auto confiança dessa personagem que, como todas nós mulheres, tem suas inseguranças... ainda mais depois de ser praticamente abandonada no altar em um relacionamento de 14 anos de duração. Dá pra imaginar?

Como é marca do gênero, o humor está mais do que presente na obra, mas nada exagerado; tudo é leve e bem dosado me fazendo dar umas risadas gostosas... tanto que, até hoje quando me lembro do livro e de certas cenas, me vejo sorrindo! O personagem de Rico também é um capítulo a parte; sabe aquele mocinho pelo qual você realmente suspira?! Rico com certeza se encaixa nessa categoria. Um médico lindo, com um sotaque sexy que tem todo aquele jeitinho "Me deixa cuidar de você"... honestamente pessoas, como resistir?? Eu definitivamente não consegui!

E é por isso que me rendi a essa leitura e ela ganhou meu coração com a sua leveza, humor e ótima escrita! Vou manter meus olhos atentos a Daya Alves e com certeza ler mais livros dessa autora nacional! Espero que tenham curtido a resenha, tanto quanto eu curti fazê-la e dêem uma chance a esse livro encantador!


"Eu não sei se você é ruiva ou morena, alta ou baixa, mas pude perceber o quanto o seu coração é bonito. E é isso que deve esperar das pessoas, que elas enxerguem além da aparência, porque a moldura nos representa, mas nossa essência define quem somos."

Fiquem com Deus,

Beijos!

[Resenha] Entre Amores e Desamores - Renata Corrêa


Oi pessoas, tudo bem? (:

A blogueira fantasma está de volta! haha' E de volta por um bom motivo: RESENHA! Sim, amo fazer resenhas <3 haha="" p="">
Hoje a resenha é de um livro todo fofo de contos de uma autora sobre a qual volta-e-meia falo por aqui e que tem me conquistado de pouco a pouco: a Renata Correa! Masss, sem mais enrolação, vamos pra resenha?



Amores e desamores

"Nesta coletânea de 11 contos curtos, a autora narra de forma delicada, característica da sua escrita, histórias de amores que deram certo e de outros que não terminaram bem, dividindo com o leitor a angústia, o sofrimento e o medo de seus personagens, bem como seus sonhos e suas alegrias"


Estava em uma noite rolando na cama e o sono nada de chegar. Foi quando resolvi abrir meu aplicativo de leitura no celular e me lembrei desse livro (com essa capa mais linda!) que já estava me olhando de cara feia por ignorá-lo haha' Resolvi então me perder nesses contos, sem saber o quanto eles me encantariam!

O nome do livro é perfeito para definir os contos contidos neles: histórias curtas, que retratam os dois lados do amor, suas alegrias e tristezas e mostrando assim que há beleza contida nessas duas facetas. Com delicadeza, numa escrita que flui muito bem passam diante dos nossos olhos histórias de amor que - bem sucedidas ou não - sempre deixam alguma mensagem. Seja sobre o amor em si ou sobre o amor próprio que nos faz superar a perda.

Embora tenha gostado de todas os contos, confesso que um deles me encheu os olhos e definitivamente me fez desejar um livro completo dessa história! O nome do conto é Uma Vida Inteira de Amor e narra o encontro entre uma jovem escritora e seu ídolo que depois de sofrer um acidente, ficou preso a uma cadeira de rodas. O encontro desses dois foi narrado de uma maneira tão doce pela Renata que foi inevitável não imaginar uma história mais longa para os dois... e com certeza vou encher a paciência da autora com essa idéia! haha'

Enfim, peguei Entre Amores e Desamores para ler em uma noite insone, e confesso que adormeci com um sorriso no rosto ao finalizá-lo e espero que tenha te convencido a le-lo também!

Aproveita que somente até hoje ele está grátis na Amazon, corre!! *---*




Enfim gente, espero que terminem esse domingo com uma leitura tão gostosa quanto essa! E se lerem, venham me dizer o que acharam, okay?

Fiquem com Deus,
Beijos! ;*


Fiquem com Deus! ;*

[Parceria] Renata R. Corrêa & Mayra Carvalho

Oi gente tudo bem? (:

Confesso que esse tipo de postagem sempre faz o meu coração vibrar! Essas alianças que tenho formado na minha caminhada com o Letras Eternas me fazem renovar as forças em relação a blogar, sabe? É incrível sentir que alguém viu e acreditou no trabalho que você tem feito a ponto de lhe confiar algo tão maravilhoso quanto o seu livro. Essa postagem enfim não é só pra anunciar, mas principalmente agradecer a essas duas autoras incríveis que entram para o meu time! Vem conhecer mais sobre a doce Renata e a gentil Mayra!


Renata dos Reis Corrêa nasceu em 04/03/1981, mora em Uberlândia-MG com o marido e seus dois filhos gêmeos (um casalzinho). É médica oftalmologista por formação e uma apaixonada pela escrita, pelas histórias de amor e principalmente pelos finais felizes. Uma romântica incorrigível! Escreve em seu blog renatacorreaescritora.blogspot.com.br e já escreveu quatro romances (ainda inéditos), sendo que “Contra todas as probabilidades” é seu romance de estreia. Seu segundo romance “As coisas não são bem assim” sairá pela Editora Pandorga no final do primeiro semestre de 2017.